06 novembro 2006

Que p**** é essa de Versão Beta?

Sem grandes acontecimentos na minha vida, pra variar.


Acho que eu li muito livro quando era criança. Agora eu fico achando que sempre tem que haver uma nova grande escolha, uma chance sorrindo a nossa frente, declarações de amor, conquistas e bem lá de vez em quando algum problema sério.


Infelizmente a ex-escritora e leitora mirim errou nas suas previsões.
Que diria que a coitadinha da princesa sairia da torre e viria cair numa assistencia técnica de celular? Quem diria que a mocinha cansaria de fugir do bandido, olharia pra trás e não veria ninguém se importando muito com o fim da história.
Talvés ela case com o príncipe, talves ela tenha que beijar/engolir alguns sapos ainda pela frente.
Talvés ela tenha que continuar pagando pra receber um diploma onde estará escrito quase nada, e ela verá que se o papel não custasse tanto, seria bem mais simples ter sido autodidata.

Um dia ela quer ainda escutar: "... E para paraninfo, convidamos a Profº Draº Msº Gabriela Moroni..."

Mas todas estas coisas são tão incertas como o criminoso dos livros da Ágatha Christie, e olha que eu li muito, e mesmo assim, nunca conseguia sacar que era o Mordomo, logo aquele acima de qualquer suspeita.

Muitas vezes a gente tema que vire um cine trash, e que os monstros saiam do armário, e que saudade do super herói, quando de fato eles resolvem sair, no meio da noite e espirrar as suas gosmas nojentas na gente.

Ficção ou não, não me resta muito a prever, somente o suficiente para que o interesse neste "pocket" seja suficiente para não esquece-lo no armário pegando pó. Quem sabe eu possa fazê-lo virar uma enciclopédia, daquelas que todo ano sai uma atualização bem gorda, com direito a CD-Room e mapa de um lugar novo, bem exótico.

Muitas vezes, a atriz principal acorda sem lembrar o texto, ou como se tivesse lido a maior fofoca do mundo na capa da contigo (e ela não lê contigo)... E dai a coitada tem vontade só de ficar lendo seus gibis, presa dentro da masmorra.

As vezes ela acorda e sente-se tão photoshopada que vale a pena sair com uma blusinha mais curta, e as vezes ela se sente a própria vilã, com cicatriz no rosto e tudo.

Se o saldo da peça será positivo ou negativo?

Ainda não sei, a gente só faz o balanço quando as cortinas se fecham, quando a última página é virada, como ainda estamos no prefácio, ainda não é necessário pensar em quanto ele ira nos render.

Academia Brasileira de Letras, ou o Oscar, não devem ser tão excitantes assim, afinal.

Um comentário:

adri disse...

sabe que eh verdade?? tbm jah pensei varias vezes que grande parte da culpa de eu ser essa tonta sonhadora incorrigivel seja das series americanas e dos milhares de livros da vaga lume e do sidney sheldon que li... onde tudo era tao cheio de magia, onde as mocinhas, tipo nos, mesmo que sofressem, no fim ficavam, no minimo, ricas....

mas nao te preocupe, mttt coisa ainda vai acontecer pra gnt.... com certeza. coisas de dar inveja às mocinhas... pq elas vivem num mundo de papel, nos vivemos a REALIDADE. nos SENTIMOS de verdade. isso nao tem preço