06 março 2007

E onde começa um e termina o outro?

Talves você prefira dar uma lida no Blog do Grubi pra entender melhor este post!

50% comentário e 50% meu post:

(vou refazer porque ficou uma bosta!)

Já a um tempo atrás eu parei pra pensar nessa história de feministmo. Lógico, eu era adolescente e primeiro eu me declarei feminista pra depois parar pra pensar no que isso queria dizer.

Na época eu queria revolucionar o mundo e mostrar que eu era capaz de ser independente. Independente inclusive dos homens-eu não sabia do que eu estava falando. Hoje eu vejo que é possível viver modestamente sem eles (e sim, eu to incluindo nisso a revolução do comercio!). Eu pretendo aprender a trocar pneu ao mesmo tempo que aprender a dirigir. Quero comprar minha casa, meu carro e sei abrir como ninguém um vidro de pepino. Troco lâmpada e mato barata (apesar de esta ultima eu, de fato, morrer de nojo!). Monto barraca, conserto plug de tomada, e todos estes "afazeres masculinizados."

Mas infelizmente nós não somos iguais e não tem como enganar o mundo.
Eu acredito e faço ser realizado que todos tem que ser respeitados da maneira que são. Não admito piadinhas idiotas, não admito desrespeito. Agora, vim falar que somos todos iguais, dai já é muito pra minha cabeça.

Homens e mulheres são, querem e esperam coisas diferentes das pessoas e coisas...

Agooora, sobre o post do Grub (que, caso você não tenha lido, falava acerca de cavalheirismo!)

Seria válido se a gente existisse uma boa versão feminina pra palavra.
Seria válido se não fosse uma perda de tempo incaculável.
Seria válido se não fosse tão oportunista.
Seria válido se fosse verdadeiro.

Assim como as tarefas e as responsabilidades e eventualmente até algum benefício pode ser dividido, que seja dividido também a gentileza e a prestatividade (será que isso existe?).
Falando de uma maneira muito mais popular que o meu grande amigo, queria dizer que, pelo pouco conhecimento que tenho, aconteceu muito mais em novela ou nas histórinhas da Disney do que na realidade em que a gente vive (e viveu). E poeta romantico? Ah, essas é que são os piores!

Pras que sentem falta de serem cortejadas, eu digo que se existir, não dura, se durar o cara provavelmente é viado. A não ser que ele ainda não tenha "conquistado o que ele realmente quer" (fui absolutamente podre neste comentário, mas ele era necessário!).

E outra, romantismo a parte, sou muito mais adepta do "olhar que diz tudo se dizer nada". Do bom papo, da química e de, inclusive, dividir a conta! Não sei até onde isso é um sinal dos tempos. Mas que eu nunca ouvi falar de nenhuma neanderthal fazida, ahm, isso eu não vi mesmo!



Continuem com as flores, com os presentinhos, e com os cartões (!!!) que nós continuaremos doces, bajuladoras, sensíveis como vocês tanto gostam e precisam! Quanto aos pneus e as cuecas, vamos deixar cada um resolver seu próprio problema. (porque como eu já disse, quero saber trocar meu próprio pneu e não me vejo lavando cueca!)

;o)






Da namorada do cara menos cavalheiro que eu conheço:
"Pq mulher é que nem porco. Incomoda, dá trabalho, mas a gente sempre tem que ter na volta."
Citação do meu querido. Super espirituoso... ¬¬




Abraço, beijo!

3 comentários:

adri disse...

olha, acho feminismo um grande exagero, pra ser bem sincera. foi útil em algumas coisas, pra reinvindicar alguns direitos, mas verdade seja dita: a maioria ali eh mesmo mal comida.... (nossa, me senti uma cretina-traidora-do-sexo-feminino agora....)

acho que é mesmo como falaste, cavalheirismo seria válido se fosse sincero. pq quando é sincero não é exagerado. e o olho no olho eh sempre mais importante. SEMPRE.

mas eh claro, cartõezinhos, presentinhos, flores, surpresas, sorrisos e uns cafés na cama às vezes não matam ninguém, neh? =D

bjn gabi!

ps: nao sei consertar plugs, mas estou aprendendo a matar baratas! (apesar da deprimente cena que narrei em meu blog... huhuahauhauh)

Daniel Gruber disse...

Esse post/contra-post/post-suplementar que tu escreveu ficou um pouco confuso pra mim. E como sou preguiçoso e não vou ler de novo, vo ficar sem entender mt bem a tua posição a respeito dessas coisas (feminismo, cavalheirismo...)
só quero q as pessoas entendam que não sou contra romantismo (cartões, flores, presentes, café na cama...) só acho que é papel de ambos e não de um só....
e quanto aos poetas românticos, eles são cavalheiros, são machistas, são aveadados, mas eu adoro!
é como o Mel Gibson: é um filho da puta, mas o cara é foda!

bjs bjs kerida!

Angra disse...

Oiiii... to passando pra conhecer os blog que divulgaram lá no forum do bruxaria, adorei o seu...
Blessed Be